O discurso da Rainha Elizabeth 2ª na abertura dos trabalhos do novo Parlamento britânico nesta quarta-feira (21) teve como foco a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. Oito dos 24 pontos abordados pela soberana tratavam sobre o tema e apontaram para uma negociação “suave e ordenada”.

Com isso, a rainha confirmou os rumores de que a premier Theresa May mudará sua postura “dura” nos debates por conta da perda de maioria nas últimas eleições do país, que foram um grande revés para a primeira-ministra.

Durante sua fala, Elizabeth 2ª afirmou que o governo implantará o Great Repeal Act, uma lei que cancelará toda a legislação europeia na Grã-Bretaha, mas que o país pretende manter “relações fortes” com o bloco econômico após o Brexit.

Além da saída do Reino Unido da UE, Elizabeth 2ª confirmou o compromisso do país com o Acordo sobre as Mudanças Climáticas de Paris, informando que o governo implantará as medidas acordadas durante as negociações.

Outro ponto destacado por ela é a criação de uma lei para a proteção as informações dos cidadãos na internet, que incluirá um projeto sobre “o direito de ser esquecido” na web.

Também foi ressaltado que, por conta dos atentados terroristas de Londres e Manchester, os serviços de segurança do país “terão os recursos necessários” para proteger a população de atos do tipo.

Durante o tempo que foi ministra e premier, May cortou parte do orçamento da polícia e reduziu em cerca de 20 mil o número de agentes no país, o que foi duramente criticado na campanha eleitoral.

O discurso é o segundo que Elizabeth faz em pouco mais de um ano. Isso porque a premier decidiu dissolver o Parlamento para ganhar mais força nas negociações do “Brexit”, fato que não se consumou nas urnas. Até este momento, May ainda não conseguiu fechar a maioria de seu novo governo.

Trump
O discurso, que é uma tradição de séculos no país, também aponta quais serão os compromissos com os líderes internacionais. Ela mencionou a visita dos reis da Espanha, mas não falou sobre a visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que estava agendada para o segundo semestre.

Durante as últimas semanas, a mídia britânica afirmou que o encontro teria sido cancelado, mas a informação não foi confirmada oficialmente.